de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 02 Novembro , 2007, 11:04
Porta principal
Painéis do Rosário (lado esquerdo)

Painéis do Rosário (lado direito)


Cruz Alta



João Paulo II



O QUARTO MAIOR TEMPLO DO MUNDO


Quando cheguei à nova igreja de Fátima, a tal que dizem ser uma igreja para o século XXI, não senti que estava perante um templo clássico. De qualquer forma, fui-me habituando à ideia de que os templos não têm que ser sempre do mesmo estilo. Cada época reflecte neles as suas sensibilidades, as artes dominantes e os gostos próprios dos artistas convidados a concebê-los. Nessa perspectiva, percebi que a igreja da Santíssima Trindade começa por ser muito diferente do que os nossos gostos têm guardado lá no âmago. Mas gostei, logo que me fixei na grandiosidade do templo, o quarto maior do mundo.
A porta principal, de grande imponência, ou não seja Cristo a PORTA, está ladeada por dez painéis de bronze, do artista português Pedro Calapez, representativos dos Mistério do Rosário. Depois, as portas laterais, alusivas aos doze Apóstolos, caracterizam-se pela sua simplicidade e com uma referência a cada um dos seus patronos.
No exterior, como que a envolver a igreja, podemos apreciar quatro estátuas: D. José Alves Correia da Silva, primeiro bispo da restaurada Diocese de Leiria, Pio XII, Paulo VI e João Paulo II.
O que registei, num primeiro momento e nos que se seguiram, foi que o povo nutre pelo Papa João Paulo II um carinho especial. Compreende-se. Foi o Papa mais conhecido e mais carismático do século XX e grande devoto de Nossa Senhora de Fátima. Constantemente pessoas a apreciá-lo e a pedir a sua intercessão junto de Deus, depositando flores junto da sua estátua orante.
Depois a Cruz Alta, muito contestada, conforme se tem verificado na comunicação social. De qualquer forma, o que vi foi sintomático: há muitos a contestá-la, mas também há muitos a admirá-la, pela força com que ela nos atrai. Não será fácil, para olhos habituados a um Cristo com rosto, como se vê nos crucifixos, mas estou convencido de que a riqueza simbólica acabará por se impor. Afinal, o autor está a convidar-nos a construirmos, na nossa mente, um Cristo ao gosto de cada um nós. A partir de traços simples, marcantes, poderemos interiorizar um Cristo que nos modificará por dentro, com um rosto que a nossa imaginação e sensibilidade poderão moldar. Talvez por isso, muitos fotógrafos amadores, como eu, não se cansavam de fixar nas suas máquinas aquela Cruz, vista dos mais variados ângulos.

Fernando Martins

tags:
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Novembro 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9



28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO