de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 16 Outubro , 2009, 20:19



An Apple a day, keeps the doctor away!


Hoje, dia 16 de Outubro, comemora-se o Dia Mundial da Alimentação. Uma data para reflectir e é bom que faça gerar alguma controvérsia, entre as pessoas.
Por ironia do destino, ao chegar ao local de trabalho deparei com um acréscimo de iguarias, no bar, constituídas por doces suculentos e apelativos. Não que houvesse qualquer intencionalidade de contrariar os objectivos pedagógicos da efeméride, mas simplesmente como resultado do sentido de partilha que se vive na Escola. Ainda não percebi muito bem, ou talvez não queira aprofundar a questão, do motivo, pelo qual os aniversariantes, festejam a alegria, do dom da vida, com os famigerados bolos de aniversário, ou outros de qualquer espécie!
Por que não oferecer uma cenoura, que contendo caroteno, contribui para embelezar os olhos, tão do agrado das senhoras? Um tomate, cujo componente licopene, antioxidante, combatendo os radicais livres, mantém a juventude das células por mais tempo? Uma maçã, que segundo a tradição, comida à razão de uma por dia, afasta o médico? (An Apple a day, keeps the doctor away!) Tudo isto seria a alternativa ao consumo excessivo de glicose e contribuiria para uma vida mais saudável. Mas.....ninguém tem esta ideia peregrina de ser vegetariano, no dia do seu aniversário!
É um hábito salutar nesta instituição de ensino, a partilha da alegria da comemoração, consubstanciada numa fatia de bolo! Hoje, que todos deveríamos comungar do desiderato de viver + saúde, ninguém se absteve de degustar o sabor excelente da dádiva dos colegas. Por que será que a doçura vem indelevelmente associada à alegria, à felicidade? Amarga, já basta a vida! - dizem alguns! Por isso, o sweetheart inglês, traduz bem essa interligação entre dois prazeres diferentes: o físico e o espiritual! Andam de braço dado, como os amantes!
No entanto, isso não impediu que uma reflexão pairasse na minha mente sobre os desequilíbrios que existem no planeta terra, no concernente ao tema. Durante o dia de hoje, fui bombardeada com notícias sobre o factor obesidade que engrossa os seus números, especialmente no grupo da infância /juventude.
Ainda recordo as cenas que pela vida fora tenho observado, dos malabarismos que as jovens mamãs fazem para “enfiar” a sopinha aos seus rebentos, quando eles fazem birra e rejeitam o alimento. Desde as “aterragens” forçadas dos aviões na careca dos avôs, dos passeios pelo quintal, distraindo as adoráveis criancinhas, como se estivessem a infligir-lhes algum suplício (Comer para elas parece que é!), até às mais estranhas cenas de persuasão e ou intimidação, tudo acontece para dar de comer a quem não o quer!
Do outro lado está essa multidão de crianças e adultos, que morre à fome e não tem uma côdea de broa para mitigar a fome. É revoltante, chocante e deprimente constatar esta discrepância entre a abastança de alguns que engordam desmesuradamente e aqueles que numa subnutrição escandalosa, definham e morrem à míngua.
As desigualdades sempre me fizeram pensar e sofrer, pois há crianças que são vítimas inocentes da má distribuição da riqueza.
E......há muita gente que come mal, muito mal, por excesso e falta de critério de escolha, basta relembrar os malefícios do fast food; outros sem possibilidade de escolha não têm uma migalha para deitar à boca! Esses nem sequer comem!
Estranha esta injustiça humana, que não pára de crescer! Ainda há pouco tempo circulava na net, a imagem cruel duma criança desnutrida, a sucumbir à fome e a ser cobiçada pelas garras de um abutre!
Era bom que os detentores do poder fizessem alguma coisa para minorar estas diferenças e atenuassem o sofrimento dessas crianças. Há muito ainda por fazer e que urge ser alvo de consideração.

M.ª Donzília Almeida

16.10.09

 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO