de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 07 Junho , 2008, 12:04

Estatísticas, correcções e os males de sempre

Os últimos dados do Eurostat (Gabinete de Estatísticas da União Europeia), conhecidos no passado mês de Maio, não deixam margem para dúvidas: se compararmos os rendimentos acumulados dos 20% mais ricos com os dos 20% mais pobres, verificamos que, em 2004, os portugueses mais favorecidos tinham ganhos 7,2 vezes superiores aos dos mais necessitados. Este rácio representa um ligeiro decréscimo em relação a 2003 (7,4), mas nem por isso deixa de estar muito longe da média europeia, de vinte e cinco países (Bulgária e Roménia não entraram neste estudo), que era de 4,6 em 2003 e 4,8 em 2004.
Qualquer que seja a forma de medir a desigualdade, Portugal é, sempre, o pior país da UE e um daqueles em que a pobreza é mais extrema. Ainda segundo o Eurostat, 9% dos portugueses vivem com menos de 10 euros por dia, enquanto, na Europa, a média ronda os 5%. O retrato agrava-se, se tivermos em conta que, em 2007, 21% dos portugueses estavam em risco de pobreza, mesmo depois de contabilizados os apoios sociais.
Um risco que atinge as populações mais vulneráveis: 23% dos menores de 16 anos e 29% das pessoas com mais de 65 anos, de acordo com dados referentes a 2004.
Outra das questões que aparece associada à exclusão social, no Relatório do Eurostat, é referente ao abandono escolar precoce. E, também, aqui, é traçado um quadro negro para Portugal: no ano passado, 38,6% dos jovens entre os 18 e os 24 anos não tinham mais do que o nono ano de escolaridade.
Quem trabalha no terreno, acusa o debate em torno da exclusão social em Portugal de ser demasiado teórico e alerta para a necessidade de se reforçarem as medidas, sobretudo nas áreas da educação e do emprego. De facto, é na educação e no emprego que tudo se joga, para o bem ou para o mal. Salvo melhor opinião, já começa a saturar falar tanto nas iniciativas e nos vários trabalhos na área da exclusão social, na medida em que a sua banalização, um dia destes, torna-se num hábito pernicioso. É evidente que é um “mal” necessário, quantas vezes, a única tábua de salvação para se ir sobrevivendo, mas só por si não basta.
Mas onde estão os empregos prometidos? Onde estão os empresários que investem e criam riqueza para eles e para o país? Onde está uma escola que ensine, eduque e prepare os jovens para a vida? Onde estão as Universidades que formem as elites e a massa crítica do país? Onde está uma formação profissional séria, que não desperdice, em brincadeiras, os milhões de euros para ela canalizados, sem ser capaz de formar profissionais competentes? Onde é que está a agricultura e a indústria portuguesa, áreas estruturais de qualquer país, de forma a não o tornar tão dependente do exterior?
Bem pode este ou outro Governo dizer que os dados estão desactualizados, por serem de 2004, e até corrigir alguns dos indicadores que estejam incorrectos, mas, no essencial, o que muda? Claro que estão todos a fazer um grande esforço e a preocupação é grande, como dizem, mas que sinal é que se quer dar quando pessoas que têm menos de 400,00 euros de reforma recebem 1,6% de aumento, para o ano de 2008, quando a inflação (mal) calculada pelo Governo é de 2,1%? Será que já ganham muito e há que lhes baixar a reforma, por via da inflação, que se prevê, agora, nos 2,4%?
Afinal, já temos trinta e quatro anos de democracia e um longo e profundo oceano de promessas feitas, ao longo de todo este tempo. Por isso, com mais décimas ou menos décimas de correcção, é este o país que somos. Saber porque tudo isto nos acontece parece ser um mistério que ninguém quer ou consegue desvendar. A não ser que a sua chave não esteja só na incompetência, que já não se pode escamotear, da classe dirigente do país (especialmente, políticos e empresários), mas também na dos portugueses que, no geral, podem já não conseguir ou não quererem viver de outra maneira.

Vítor Amorim
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO