de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 25 Outubro , 2008, 12:30
Flores para a Irmã Iracema, com o Manuel Serafim e a Fátima Lage

Irmã Iracema esteve entre nós, 18 anos depois


Quer queiramos quer não, há sempre pessoas que nos marcam na vida. Para o bem e para o mal. Eu sinto isso. As que tentaram insinuar-me o mal ou indicar-me caminhos menos correctos foram postas de lado. Não ocupam qualquer lugar na minha vida. Outras, as que me sugeriram princípios do bem e me deram testemunhos, concretos, de que é possível seguir pistas de verdade, de justiça, de fraternidade e de paz, essas têm um lugar especial no meu coração.
Às vezes dou comigo a pensar em todos esses homens e mulheres que deixaram sinais indeléveis na minha formação. Foram muitos, é verdade, tantos que nem consigo elencá-los. Só tenho pena de não ter tido a capacidade de colher dessas árvores de bons frutos toda a sabedoria e humildade para os reflectir na minha vida, chegando a quantos me rodeiam.
Ontem, contudo, encontrei-me com uma dessas pessoas, que não via há 18 anos. Trata-se da Irmã Iracema, do Instituto das Irmãs de Maria de Schoenstatt, que viveu entre nós 15 anos. Destacada pelo seu Instituto para trabalhar em Portugal, radicou-se na Gafanha da Nazaré, tendo colaborado, activamente, no lançamento das bases do Movimento Apostólico de Schoenstatt na Diocese de Aveiro. A construção do Santuário dedicado à Mãe e Rainha, na Colónia Agrícola da Gafanha, deve-lhe imenso. E por aqui se manteve, em plena actividade apostólica e humana, até 1990, insuflando em muita gente o fervor da fé e a paixão pelos valores cristãos. Missão cumprida, regressa ao Brasil, continuando, no país irmão, outras tarefas ligadas aos ideais que desde jovem abraçou.
No encontro organizado para a ouvir de novo, com a mesma voz e com o mesmo entusiasmo, jovens e menos jovens partilharam saudades. A Irmã Iracema repetiu o que sempre foi na vida: coerência na fidelidade aos princípios que sempre a nortearam, princípios de verdade, de frontalidade e de testemunho em todas as circunstâncias. Mas sempre crente num mundo melhor, alicerçado na Boa Nova.
Foi muito bom conversar com ela, ouvi-la e sentir o calor da fraternidade e o amor a Jesus Cristo e a Sua Mãe, que tão bem sabe transmitir com simplicidade e serenidade. E com os seus 70 anos de vida, prometeu voltar à Gafanha da Nazaré para comemorar, connosco, o seu centenário. Eu prometi acompanhá-la nesse dia.

Fernando Martins
 O que é? | partilhar

Manuel Santos a 27 de Outubro de 2008 às 02:36
Na actualidade, estar consciente das enfermidades da humanidade e manter a alegria no trabalho pela felicidade dos outros, ser constante na fidelidade aos ideais e irradiar energia capaz de contagiar os outros, só alguém que está profundamente enraizado nos fundamentos cristãos.
A Ir Iracema, com o seu exemplo de vida, transmite-me coragem e força para seguir Jesus Cristo e acreditar que só servindo como instrumento nas mãos de Deus se pode contribuir para para afastar da humanidade os males que ainda padece.

Maria do Céu Ramos a 27 de Outubro de 2008 às 20:50
«As palavras comovem, os exemplos arrastam», é o que me ocorre dizer da Irmã Iracema e do tempo que nos dedicou por inteiro. Deixou marcas indeléveis na nossa juventude de então, das quais beneficiam, directa ou indirectamente, os nossos jovens hoje. Um grande bem-haja pela sua entrega e dinamismo ainda bem patentes, não obstante a idade já não ser a mesma. Deus-Pai a conserve para bem da humanidade e do Movimento Apostólico de Schönstatt.

mais sobre mim
Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO