de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 08 Outubro , 2009, 21:38
[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] $r>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="http://3.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss5NQmgU9BI/AAAAAAAAMt4/uRhKoq7XjQQ/s1600-h/amalia.gif" imageanchor="1" style="clear: left; cssfloat: left; float: left; margin-bottom: 1em; margin-right: 1em;"><img $r="true" border="0" src="http://3.bp.blogspot.com/_edOTyb048mE/Ss5NQmgU9BI/AAAAAAAAMt4/uRhKoq7XjQQ/s200/amalia.gif" /></a><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>AMÁLIA </strong></span><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>NO TOPO </strong></span><br /></div><div style="text-align: left;"><span style="color: red; font-size: large;"><strong>DA MONTANHA</strong></span><br /></div><div style="text-align: right;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">1. A incontornável Amália (1920-1999) tanto cantava com a nostalgia lusitana «povo que lavas no rio…». As tábuas de Amália continuam a ecoar, quer numa maravilhosa nova geração de fado quer na candidatura do Fado Português a património da Humanidade na UNESCO. Uma ideia que dá que pensar é como o fado, a cantiga da alma das gentes, fez um caminho admirável até aos palcos internacionais, percurso esse de uma irreverência criativa, mas que, predominantemente, revela uma face saudosa que muitas vezes, mais que mobilizar activamente, poderá fazer parar nostalgicamente. Não é linear, nem o fado tem muitas regras, como se sabe… Sabe-se e reconhece-se a originalidade do fado, enaltecido por tantos nomes que terão na Amália o topo da montanha.<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">2. Se muitos sentimentos reflectidos no fado poderão até ser reflexo de conjunturas sociopolíticas, a verdade é que a canção portuguesa nunca se deixou aprisionar e traz sempre consigo a ânsia de novos mares a navegar. Também é verdade que pertencerá à história da identidade nacional, sem mitologias excessivas, que o fado como destino da aceitação de tudo e tristeza que paralisa reflecte-se naqueles estudos europeus ou mundiais que volta e meia nos dizem que somos mais tristes que alegres, nostálgicos do passado que empreendedores do futuro(?). Claro que o fado não tem culpa de nada, ele acontece, reflecte, manifesta, espelha… O fado poderá aliar a memória da tradição ao projecto visionário e aventureiro do amanhã? Claro que sim, as gentes do povo têm a “caneta” nas mãos em cada dia…<br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">3. Não parece mas eis-nos diante de outro acto eleitoral de altíssima responsabilidade cívica. O fado de que tudo está mal ou tudo está bem (até porque tal nunca é verdade) não pode aprisionar e limitar a intervenção dos cidadãos. Povo que participas…! Mais que uma questão que seja a afirmação convicta de todos serem actores da construção do bem comum. Só a participação dá razões para a exigência! Dar frescura ao fado!<br /></div><br /><a href="http://1632un.blogspot.com/">Alexandre Cruz</a>
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Outubro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9


19



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO