de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 01 Março , 2007, 12:03

MISTICISMO,
UMA MODA OU UM GRITO
DE SOBREVIVÊNCIA?


O tempo é de contrastes. Por uma lado, violência, barulho, atordoamento e o navegar no vazio ou no superficial que diverte e não exige nem pede nada. Por outro lado, grupos de jovens e de adultos, de todos os lugares e continentes, deslocam-se e encontram-se, ciclicamente, em lugares convidativos para rezar, para experimentar a eloquência do silêncio e olhar, serenamente, para dentro, já que por fora não há qualquer novidade que prenda ou interesse.
Num clima de modernidade empobrecida em que tudo se apresenta como passageiro e descartável, não falta gente a denunciar o vazio reinante e a procurar o essencial, o permanente, o que dá segurança e sentido.
Não interessa dizer qual o grupo mais numeroso. No compulsar do coração e no caminho de procura exigente da verdade e do bem, o número não é a melhor medida da realidade, nem o melhor critério para aquilatar do seu valor. Nas democracias o número é decisivo, mas, também, por isso, se sente a fraqueza de um sistema que, apesar de tudo, ainda é, no reconhecimento dos direitos e na possibilidade de participação, o menos mau. Mas, no restante da vida, o número pode marcar apenas o mundo dos interesses para aqueles que com ele sossegam, se contentam e beneficiam.
O misticismo, como forma de interiorização e de procura profunda da vida que circula nas raízes do nosso ser, tem a expressão da total gratuidade quanto ao tempo, às relações mútuas e aos trabalhos realizados.
Achei curioso, e não me escandalizei nem estranhei, ao ler palavras do realizador do filme “ O grande silêncio”. Contava ele que ao pedir autorização para filmar dentro do grande Convento da Cartuxa de Grenoble, o abade lhe disse que teria de esperar quinze anos para que tal lhe fosse permitido… Fora do clima da vida dos monges, esta resposta parece ridícula e pouco respeitadora. Assim não o entendeu o cineasta e a sua paciente e compreensível espera fez que o tempo lhe fosse encurtado…
Estou cada vez mais convicto de que o misticismo, ou seja, o regresso ao espiritual e ao sagrado nos tempos que correm não é uma moda, mas, antes, um grito profundo que muitos já não conseguem calar e para o qual procuram resposta que os situe numa vida consequente, com progressivo sentido e novos horizontes.
O deserto também é fértil, como o silêncio é eloquente. Depende da atitude de quem, livremente, se mete pelo deserto, ou de quem se entrega, voluntariamente, ao silêncio.
Em tempos idos, eram os padres e os religiosos que faziam dias de retiro espiritual em silêncio, deixando os trabalhos do dia a dia, para depois regressarem com mais coragem a enfrentar as exigências que os mesmos não dispensam. Hoje, são jovens e adultos, homens e mulheres, casais e idosos, doentes e sãos, intelectuais e rurais os que cortam com a vida normal por uns dias, para mergulharem da oração e na reflexão. Nenhuma alienação. Essa poderá acontecer na assistência ao jogo desportivo, não na procura livre de um espaço de respiração e alimento do espírito.
A nostalgia de Deus, bem como a necessidade de confronto de uma vida desgastante com um ideal que a supera, são mais frequentes do que se pode imaginar. Quem acordou para que, a tempo, o possa verificar e agir em consequência, já exorcizou, por si, os tão frequentes esgotamentos de que muitos se queixam. O esgotamento é a nova epidemia de quem restringe a vida a quadros fechados e restritivos e não deixou de olhar horizontes mais largos. Assim, tudo fica reduzido aos limites de uma vida empobrecida por dentro.
Ninguém procura o enriquecimento espiritual porque é moda. Muitos o procuram para poderem, de novo, ser os condutores lúcidos de si próprios.
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Março 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9

17

24

27
28


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO