de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Outubro , 2008, 23:19
Bairro de Santiago


HÁ SEMPRE TEMPO PARA DEDICAR AO BEM COMUM



À sombra do CUFC (Centro Universitário Fé e Cultura) e da AAUAv (Associação Académica da Universidade de Aveiro) nasceu o PVU – Projectos Voluntariado Universitários, que conta com o apoio dos Serviços de Acção Social e da Reitoria da UA. Partindo do princípio de que há sempre, se quisermos, um tempo para dedicar ao Serviço do Bem Comum, espera-se que os alunos do Ensino Superior de Aveiro adiram a estas acções de bem-fazer.
Há campos para o voluntariado com várias expressões e para todos os gostos: Explicações no Bairro de Santiago, Voluntariado em Instituições Comunitárias e colaborações, a nível da Capelania da Cadeia, no Estabelecimento Prisional de Aveiro. É claro que estes tipos de voluntariado pressupõem uma certa formação. Para isso, contactar o CUFC e a AAUAv
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Outubro , 2008, 21:58

Curso de Iniciação ao Jazz


«Iniciação ao Jazz», ministrado por José Duarte, é um curso aberto à comunidade que terá início a 28 de Outubro. Numa linguagem acessível a todos, José Duarte propõe, comenta e ensina a ouvir a música dos principais actores da história do Jazz. A formação decorre às terças, entre as 18h30 e as 20h00, no Centro de Estudos de Jazz da Universidade de Aveiro.
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Outubro , 2008, 18:30


(Des)Envolver

1. Na noção de desenvolvimento juntam-se todas as ideias e práticas que querem confluir no progresso de todos e de cada um. A Cimeira do Milénio do ano 2000 ergueu oito grandes objectivos a serem atingidos até 2015, os chamados Objectivos de Desenvolvimento do Milénio que foram aprovados por todos os 189 Estados Membros das Nações Unidas. Nesta semana, também entre nós comunidade local, eles merecerão destaque especial, tanto como sensibilização comunitária como na perspectiva de acção solidária. Se mais uma gota de solicitude entrar neste oceano de paz e solidariedade que todos queremos que cresça, então valerão sempre a pena todas as iniciativas e boas vontades que se manifestam. Venham para ficar!
2. Também as circunstâncias da presente história socioeconómica que se vai escrevendo obrigará ao despertar da nova consciência capaz de estruturar as soluções mais a partir da realidade concreta que dos planos teóricos. Os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio trazem consigo essa carga de força político-educativa que se alavanca nas raízes do generoso serviço à Humanidade. Vale a pena elencar a nova carta de condução da Humanidade no séc. XXI, nos seus Objectivos: 1. Erradicar a pobreza extrema e a fome; 2. Alcançar a educação primária universal; 3. Promover a igualdade do género e capacitar as mulheres; 4. Reduzir a mortalidade infantil; 5. Melhorar a saúde materna; 6. Combater o HIV/SIDA, a malária e outras doenças; 7. Assegurar a sustentabilidade ambiental; 8. Desenvolver uma parceria global para o desenvolvimento.
3. Como lá chegar? Cada objectivo é um mundo. Sabe-se que, infelizmente, não chegaremos tão rápido e urgente quanto necessário. Mas, pelo menos, finalmente, estes Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, oito anos depois de terem sido aprovados, começam a chegar aos corredores da praça social. Todos os cidadãos Humanos são necessários. Quem dera que não tarde tantos anos esse desenvolver. Não será pela mágica mas na ética.

Alexandre Cruz
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Outubro , 2008, 15:02

Eng. Vasco Fernando Ferreira Lagarto


No mês de Outubro, especialmente dedicado ao arranque de mais um ano lectivo para os milhares de crianças e jovens do Município, a Câmara Municipal de Ílhavo dedica a rubrica da “Nossa Gente” ao Eng. Vasco Fernando Ferreira Lagarto, figura incontornável de importantes projectos ligados às telecomunicações, à investigação, à educação e à cultura.
Nascido a 26 de Julho de 1950, licenciou-se em Engenharia Electrotécnica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto com apenas 22 anos, alcançando, três anos mais tarde, o estatuto de Master of Science em Telecomunicações, pela Universidade de Essex, em Inglaterra.
Vasco Lagarto iniciou a sua actividade profissional, no Centro de Estudos de Telecomunicações da Portugal Telecom, a actual PT Inovação, sendo responsável pelo desenvolvimento de equipamentos de telecomunicações utilizados na digitalização da rede nacional, assim como de alguns equipamentos de transmissão óptica. Em 1981 e 1982, o perito português foi convidado, pela ITU (International Telecommunication Union), para participar numa missão na Argélia, sendo, a partir daí, bastante requisitado para várias acções de âmbito internacional. Entre 1974 e 1979, Vasco Lagarto exerceu a profissão de docente na Universidade de Aveiro, leccionando várias disciplinas na área das telecomunicações.
À agenda profissional, por si só bastante preenchida, o Eng. Vasco Lagarto conseguiu acrescentar outras tantas actividades e projectos, desta vez ligadas à cidade que o viu crescer. Enquanto membro da Cooperativa Cultural e Recreativa da Gafanha da Nazaré, Vasco Largarto implementou o importante e pioneiro projecto Esteiro, de rede informática inter-escolas, em quatro escolas primárias da Gafanha da Nazaré. Em 1986, fundou a rádio local Rádio Terra Nova, mantendo-se como seu director desde então. Ao importante cargo de director, Vasco Largarto adicionou-lhe a responsabilidade pela criação do Estaleiro Terravista (acesso gratuito à Internet) exis-tente no Centro Cultural da Gafanha da Nazaré desde 1997, bem como a ligação das escolas à Internet através da Rádio Terra Nova, entre 1998 e 2000.
O Eng. Vasco Lagarto, preside desde Abril de 2008 à Fundação Eng. António Pascoal.
Casado com a D. Margarida Bola e pai de três rapazes, João Pedro, Luís Tiago e Rui Duarte, Vasco Lagarto ainda teve a oportunidade de concluir o curso de Auditoria pelo Instituto de Defesa Nacional, em 2004, e ser marinheiro na Regata da STI entre Falmouth e Ílhavo a bordo doveleiro Astrid.

In “Viver em…” da CMI

NOTA: Não fiquei surpreendido com a inclusão do meu amigo Vasco Lagarto na lista de “A nossa gente” na agenda “Viver em”, editada pela Câmara Municipal de Ílhavo. Fundamentalmente, porque há muito o admiro como figura de relevo da nossa terra, ocupando um lugar ímpar na comunidade a que pertence. E se é justo realçar tudo quanto foi realçado no texto de “Viver em”, permitam-me que acrescente algo mais da faceta deste gafanhão que nunca regateou o seu contributo à sociedade que, por norma, ouve o que ele diz, para bem da nossa terra e das suas gentes: nos conselhos que dá, nas sugestões que apresenta, nas propostas que faz, nos projectos que lança, nas iniciativas que promove.
O Eng. Vasco Lagarto, para além de tudo isso, e mesmo sem mencionar o muito que tem feito ao longo da vida, em prol da comunidade, tanto de âmbito cultural como social, passando pelo testemunho religioso e pela intervenção cívica, ele é, essencialmente, um homem bom, generoso, disponível para os outros, com uma rara capacidade de diálogo e com jeito para dar, a quem precisa, a palavra certa na hora exacta.
Por tudo isto, e por muito mais que poderia acrescentar, aqui fica o meu aplauso para a homenagem singela que lhe foi prestada.

FM
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 09 Outubro , 2008, 12:52

Chegou-me há dias, numa das revistas que assino e leio com cuidado, um estudo que pretende dar resposta a uma pergunta incómoda, que também vinha fazendo: Trata-se de perceber a razão do colapso religioso da Bélgica cristã, por muitos séculos pioneira em diversos aspectos de renovação da Igreja católica e alfobre rico de espiritualidades consistentes, mormente no campo do laicado. Foi e permanece um modelo democrático conhecido nas relações Igreja – Estado. Regime de separação, nem união, nem aliança, uma independência recíproca, mas reconhecimento e gratidão do Estado pelo papel da Igreja em inúmeros aspectos da vida social, nomeadamente na educação escolar.
Ao longo de quatro décadas a prática dominical desceu aos 7%, alcançando os 11,5% pelo Natal; os baptismos desceram de 90% para 60%, não obstante o aumento da população emigrante; aumentaram os casamentos civis e os funerais cristãos passaram de 84% a 65%. Estão contados por 208 mil os cristãos, formados e conscientes, que tornam viva a Igreja na Bélgica e que, com os seus pastores, tentam, com algum êxito, novos caminhos de renovação, a partir de pequenas comunidades vivas e activas. Isto implica um grande desafio para os cristãos que se traduz na aprendizagem diária de viver em minoria.
Sabemos que a Bélgica, que tem em Bruxelas a sede da União Europeia, se tornou nas últimas décadas um campo aberto a toda a Europa e mesmo ao mundo da política, dos negócios e das culturas. Muitas dificuldades internas, que vêm de longe, agudizaram-se no campo político e civil, num país com duas regiões, duas línguas, duas culturas, duas tradições e uma população autóctone envelhecida.
Mas, o que tem sido determinante, assim o dizem os que estudam o fenómeno, é a organização que dá pelo nome de Centro de Acção Laica, cuja adesão não vai além de 1%, que exerce uma militância destrutiva da estrutura eclesial, põe a ridículo o ser cristão, por se tratar, dizem, de algo que cheira a mofo ser pessoa que “ainda acredita em alguma coisa”. Trata-se, portanto, de um laicismo organizado e militante, uma “quase-igreja” posta em marcha por laicos anti-clericais, com os seus ritos particulares (!) e grande poder mediático. Pela linguagem e objectivos não é difícil ver as raízes…
O Grão-Mestre português do Grande Oriente Lusitano, o ramo mais poderoso da maçonaria, dizia numa pequena entrevista ao Correio da Manhã (28.09.08) que o grande objectivo é agora expandir o Grande Oriente Lusitano, desenvolver mais acções de solidariedade social e reforçar a presença na sociedade civil. A acção, a nível de solidariedade social, muito útil para a maçonaria, diz o Grão-Mestre, far-se-á através de colóquios, conferências, seminários e outras actividades. Assim, também, na Bélgica.
Os cristãos e responsáveis eclesiásticos não se podem dispensar de uma atenção cuidada ao que se passa entre nós, pois que não há efeitos sem causas e quem não conhece estas não acertará no remédio para os males.
Não há que negar a ninguém o direito de se associar, nem impedir os objectivos de uma associação legitimada pela lei, e muito menos cair em acções de cruzada. O caminho agora é outro.
Acabar com distracções, ler a realidade com cuidado, apostar no essencial, fazer novas propostas a favor das pessoas, da sua dignidade e de uma sociedade mais humana e justa, empenhar-se em pequenas comunidade vivas e activas e, sobretudo, aprender a viver cada dia numa sociedade plural, onde o ser menos numeroso, pode levar a Igreja a retomar o verdadeiro sentido do caminho evangélico.
Uma questão de fé consciente e enraizada, esperança actuante e união na acção.
António Marcelino
tags:
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds