de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 17 Março , 2008, 19:08
JOÃO JACINTO MAGALHÃES UM ILUSTRE DESCONHECIDO

João Jacinto de Magalhães é um ilustre aveirense, mas desconhecido da maioria das gentes desta região. É o patrono da Fundação do mesmo nome, ligada à Universidade de Aveiro. Foi evocado hoje na décima conferência de “Aveirenses Ilustres, que se realizou no Museu da Cidade.
:
“Oriundo de uma ancestral família do Minho, cujas origens remontam a meados do século XIII, João Jacinto de Magalhães teve origem num ramo dos Magalhães de Pedrógão, que se transferiu no século XVIII, para Aveiro, onde nasceu a 4 de Novembro de 1722. Tendo entrado no colégio do Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, com onze anos, veio a pedir o ingresso na própria ordem, tornando-se frade crúzio com o nome de Frei João de Nossa Senhora do Desterro. Em 1754, obteve a secularização por breve do Papa Bento XIV. Morreu em Fevereiro de 1790. Filósofo, como ele próprio se define, cientista como hoje o entendemos, foi considerado um dos mais notáveis portugueses da segunda metade do século XVIII.”
Lê-se no site da Fundação João Jacinto Magalhães, onde pode ficar a saber mais sobre esta personalidade ímpar da ciência e cultura.


 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 17 Março , 2008, 18:36
Chiara Lubich

CHIARA LUBICH, A VIDA ECUMÉNICA

1. Era o tempo da II Guerra Mundial. A jovem Chiara Lubich, natural de Trento (Itália), vendo a dramática situação da Europa na decadência dos ideais humanos, vem propor uma mensagem de esperança e de diálogo, assente na condição de abertura do ser humano ao ser dos outros e ao ser de Deus. Chiara recebe agora, na hora da partida (14 de Março 2008), os frutos da sua sementeira plantada ao longo da intensa vida (de 88 anos) dedicada a anunciar caminhos de UNIDADE. Não é só o mundo ecuménico das igrejas que está reconhecido e vive a sentida hora da despedida quando (terça, às 15h) em Roma o mundo celebra o dom de sua vida. João Paulo II acolheu e apreciou a sua obra, dizendo que ela corresponde na essência ao espírito renovador do Vaticano II.
2. Chiara Lubich (1920-2008), fundadora do Movimento Ecuménico dos Focolares (http://www.focolares.com/), do seu coração universal transborda um testemunho de vida que interessa a todos. Não foi por acaso que a sua raiz fraterna da mensagem «que todos sejam um» espelha pelo mundo fora frutos de unidade nas múltiplas vertentes do diálogo (quatro): entre católicos, entre cristãos das várias confissões, com membros de outras religiões e com pessoas de visões não religiosas. Uma verdadeira catolicidade (universalidade) que hoje torna presente a sua obra em 182 nações (também em Portugal), num universo de pertença de cerca de 140 mil focolarinos activos e na ordem de dois milhões de aderentes.
3. Enraizada na essência da mensagem cristã, como visão aperfeiçoada da “fraternidade” (emblema ideológico que a Revolução Francesa de 1789 havia desvirtuado cabalmente quando se observam os factos sucedâneos da exclusão de género e de raça), o mundo não esquecerá que ela foi a primeira mulher a partilhar a sua experiência de vida e de fé em auditórios de diferentes religiões como entre muçulmanos, hindus e budistas. A sua mensagem, como afinal as grandes mensagens, não se esgota no campo da religião mas abre-se a uma totalidade de experiência humana fraterna. Neste contexto de uma vida vivida ao serviço dedicado do bem comum estão concepções que iluminam as sociologias e as economias, propondo mesmo conceitos como a «economia de comunhão».
4. Factos muito relativos e mesmo secundários para ela como para as pessoas grandes porque simples, mas elementos identificadores do reconhecimento dos alcances da vida e obra de Chiara Lubic na sociedade civil, estará o facto dela ter sido aclamada por variadas universidades de todo o mundo com o título de honoris causa. Em áreas tão díspares como a teologia, psicologia, filosofia, economia, sociologia, política. Parte da história humana para uma história sem tempo e espaço mais um símbolo das lutas e das esperanças do passado Séc. XX. A semente caiu na boa terra e deu largos frutos! Acreditamos eles vão permanecer porque anteciparam futuros de unidade humana nas diversidades do tempo global. Mas, que não se percam esses ideais abertos, temos de compreender e sensibilizar mais para a raiz profunda que moveu a vida de gente tão generosa como Chiara Lubich. O mundo está reconhecido e quer continuar a aprender da dádiva que a inspirou em tempos conturbados como os seus.

Alexandre Cruz
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 17 Março , 2008, 13:48

GRUPO POÉTICO DE AVEIRO
APRESENTA POESIA DE JOSÉ RÉGIO
Integrado nas comemorações do Dia Mundial da Poesia, o Grupo Poético de Aveiro vai realizar um recital de poesia na Biblioteca Municipal de Ílhavo no dia 21 de Março, pelas 21.30 horas, com organização da Confraria Camoniana de Ílhavo. Com este recital, o Grupo Poético de Aveiro pretende homenagear o grande poeta José Régio. Entrada livre.


Fado português

O Fado nasceu um dia,
quando o vento mal bulia
e o céu o mar prolongava,
na amurada dum veleiro,
no peito dum marinheiro
que, estando triste, cantava,
que, estando triste, cantava.

Ai, que lindeza tamanha,
meu chão, meu monte, meu vale,
de folhas, flores, frutas de oiro,
vê se vês terras de Espanha,
areias de Portugal,
olhar ceguinho de choro.

Na boca dum marinheiro
do frágil barco veleiro,
morrendo a canção magoada,
diz o pungir dos desejos
do lábio a queimar de beijos
que beija o ar, e mais nada,
que beija o ar, e mais nada.

Mãe, adeus. Adeus, Maria.
Guarda bem no teu sentido
que aqui te faço uma jura:
que ou te levo à sacristia,
ou foi Deus que foi servido
dar-me no mar sepultura.

Ora eis que embora outro dia,
quando o vento nem bulia
e o céu o mar prolongava,
à proa de outro veleiro
velava outro marinheiro
que, estando triste, cantava,
que, estando triste, cantava.

José Régio

tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 17 Março , 2008, 13:00
Em Anadia, celebrou-se, ontem, a Jornada Diocesana da Juventude, com organização do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil. Presidiu o Bispo de Aveiro, D. António Francisco, que, à homilia da Eucaristia, dirigiu palavras de estímulo aos muitos jovens presentes:

"Ir ao encontro de Deus, viver de Cristo, deixar-se guiar pelo Espírito e anunciar o Evangelho não é para vós jovens uma opção facultativa. É uma decisão assumida; é uma decisão consciente; é um caminho que urge percorrer e uma missão hoje 'mais necessária do que nunca'”.
(...)
"A bem-aventurança cristã e a felicidade verdadeira são irmãs gémeas do escândalo da cruz de Jesus e renascem sempre vencedoras do âmago de tantas situações de injustiça e de sofrimento. A morte recente do arcebispo católico caldeu de Mossul, no Iraque, e o sofrimento daquele povo mártir, o esquecimento de tantas vítimas inocentes da história em numerosos lugares onde se ultraja a dignidade das pessoas e se espezinha o direito dos povos não podem assassinar a Esperança nem silenciar o Evangelho."
:
Para ler mais, clique aqui e aqui
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 17 Março , 2008, 12:57
O Dalai Lama, líder espiritual tibetano, não se cansa na sua luta, pacífica, contra a ocupação chinesa do seu país. As manifestações pela libertação do Tibete repetem-se, ciclicamente, mas os países ocidentais não estão interessados em pressionar a China. A China é um gigante a caminho da hegemonia económica mundial, e o Tibete é uma pequena nação sem importância no mundo dos negócios. A hipocrisia da civilização ocidental mantém-se, face à tirania da China. Sempre de cerviz domesticada face à força dos poderosos antidemocráticos, os ocidentais precisam de ser mais corajosos na defesa dos ideais em que acreditam. Em Portugal, as ditaduras de esquerda são aceites com alguma naturalidade, sobretudo quando os seus dirigentes nos visitam. As da direita são logo hostilizadas com manifestações. Para mim, todas as ditaduras são de condenar. Dialogar com elas, porque do diálogo pode vir a luz, mas nunca com palmas e festas. A minha simpatia e apoio vai, pois, para o Dalai Lama e seu povo, na esperança de que em breve possam cantar e viver a sua liberdade.


FM
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 17 Março , 2008, 12:50
Segundo li hoje, a Zona Histórida da Beira-Mar, em Aveiro, vai ser vedada ao trânsito automóvel. Ali, num futuro próximo, só poderão circular e estacionar os moradores. Boa ideia, a meu ver. Preserva-se um espaço de ruas estreitas do excesso de carros. Há parques à volta e todos nós precisamos de caminhar. A notícia dizia, ainda, que esta será uma experiência-piloto, no sentido de ser alargada a outras zonas da cidade. O ambiente precisa deser preservado.
tags:
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds