de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 06 Março , 2008, 19:55

Uma mesa comum: «E os alunos?»

1. O que temos verificado no panorama da educação suscita muitas reflexões por este país fora, umas silenciadas outras expressas. Educação, área estruturante e delicada, trabalhada esforçadamente nas últimas décadas por gerações de líderes, professores e famílias, estudantes e entidades. Muitas propostas ou indicativos estimulantes que hoje se consideram pertinentes já são pensados há muitos anos por quem foi abrindo caminhos de uma educação inclusiva e participada pela sociedade a quem, afinal, se destinam os educadores. Da outra face da moeda, muitos défices e limites do “sistema” têm merecido os reparos denunciadores de um consenso na razoabilidade que tarda em chegar. Sem alarmismos, mas sem superficialidades, estas últimas semanas têm sido más demais para ser verdade. Quase um beco sem saída; radicalizaram-se as posições em sector tão fundamental (e alimentador) de uma desejada vida social tolerante, compreensível e comprometida com o essencial da tarefa educativa: os estudantes.
2. Numa simples opinião, talvez ao ponto onde chegámos seja necessária mesmo uma “terceira via”: uma “mesa” onde se recentre o essencial e onde não se sentem as inflexibilidades dos dois lados, mas sim os dois ângulos da questão. Venha e cultive-se uma mentalidade socioeducativa (o “trunfo” dos países desenvolvidos) onde não adianta nada (1º) nem demitir ministros da Educação, (2º) mas onde estes nas políticas que representam saibam construir uma via comum. As inflexibilidades e intolerâncias não conduzem por nenhum caminho, a não ser o pior. A fronteira é ténue, ou já foi mesmo ultrapassada. Quanto mais as versões político-partidárias avançam com as bandeiras dos gritos e das demissões ministeriais (seja de que lado for), mais difícil se tornará a comunidade escolar, a sala de aula, o recreio, o envolvimento dos pais, das autarquias. Para descer basta um instante, para subir a qualidade são necessários anos. Também aqui a noção de reformas que temos carece de uma sustentabilidade que inclua, à priori, a globalidade das expressões.
3. Reformas (como as revoluções) à força, não só no “momento seguinte”, mas, como vemos, “durante”, resulta no panorama caótico impensável. As noitadas dos professores nas ruas do país têm sido estonteantes, no que se diz e no cansaço que gera para ao fim de horas ‘dar aulas’; a “revisão” (natural em processos democráticos) do processo de avaliação de professores tarda demasiadamente, como se fosse algo supradogmático. Queremos buscar razões para a “confiança”, mas, pelo “tesouro” da educação que (não) vemos, só abundam cogumelos desagregadores. Talvez tenhamos de começar do princípio e criar um slogan no ser profundo de cada cidadão: precisamos de nos sentar a uma mesa comum e reflectir sobre «E os alunos?». Não sabendo para onde vamos, sabemos que será pelo que temos visto. Claro, é preciso grandeza de Humanidade para reconhecer que aqui ou ali todos falhámos e queremos melhorar, sem que isso tenha de significar o “atirar pedras” demissionárias. Para quando esta grandeza humana? Conseguiremos mudar esta matriz infeliz da nossa história? Até quando?!

Alexandre Cruz
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 06 Março , 2008, 14:25

A propósito das manifestações dos professores, dos vários graus de ensino, ocorre-me sugerir que as comunidades educativas reflictam sobre os assuntos que incomodam tantos docentes, no sentido de construírem opiniões credíveis. Luís Filipe Torgal dá uma achegas, questionando-nos: "Ainda que mal pergunte: existe algum país democrático onde um Governo tenha desejado e conseguido instituir uma reforma em qualquer das suas áreas vitais sem a participação maior ou menor dos seus protagonistas?"


 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Quinta-feira, 06 Março , 2008, 11:21

Os bens do dia-a-dia a que as pessoas são mais sensíveis, quando eles faltam ou o seu preço aumenta e se torna incomportável, são estes bens de primeira necessidade que dão pelo nome de pão e de remédios. De novo se anuncia que o pão vai ser mais caro. Dos remédios nem é preciso dizer, nem anunciar, por estar à vista a dificuldade de os pagar, quando não se pode passar sem eles e os ordenados e reformas permanecem magros. Em relação ao pão, todos sabemos como ele é mesmo alimento necessário, verdadeiramente indispensável sempre, mas sobretudo quando na família há crianças.
Na sabedoria do povo, ouvimos como o pão é sinal de amor e de vida. “Tira-se o pão da boca para o dar aos filhos”, como se tiravam os anéis dos dedos, ao surgir uma doença ou um contratempo que tinha de se enfrentar, sem olhar a gostos e a sacrifícios.
A pobreza aumenta, e agora também a das crianças. Diz-se e verifica-se, cada dia, que assim é mesmo. Que nas crianças não é só de pão, mas para muitas também o é de atenção, de carinho, de amor sensível, de respeito.
Uma pobreza, quando à vista de todos, sempre vai contando com alguma ajuda. Mais ajuda de pobres, que sabem como é não ter o necessário, do que ricos. Fascinados por ter mais, envolvem-se em desculpas para manter o coração e a bolsa fechados. Outra pobreza, não menos dolorosa, encoberta e envergonhada, nem sempre por culpa própria ou da família, em que não é fácil enfrentar a vida de rosto destapado, quando ela foi madrasta e atirou para a valeta quem sempre andou na estrada.
O povo também diz que “quem precisa, precisa todos os dias”, mas quem ajuda nem sempre o pode fazer todos os dias.
Ao lado da pobreza que aumenta, vemos com preocupação definhar a solidariedade de muitos para com quem precisa, tornando-se um desafio inaceitável a sua faustosa ostentação. Quando na sociedade falta a muitos o necessário e a outros sobra aquilo de que dispõem, a ponto de o desbaratar, o espírito de compaixão e de partilha fica tolhido pela insensibilidade que o egoísmo gera e alimenta. Então o mundo caminha para a degradação.
Quem sustenta as relações humanas sadias é o amor mútuo feito partilha, não a ostentação que a uns ensoberbece e a outros humilha.
Pão e remédios, que remédios também são pão!
Sobram computadores, distribuídos em profusão, com televisão atrás, às crianças das escolas. Sobram “viagens de estudo”, já a partir do ensino pré-primário, quando a capacidade de apreciar é ainda pouca. Sobram passeios, jantares e almoços festivos aos idosos, quando se deixam, de lado e sem resposta, necessidades básicas, que todas estas cabem quando se fala de pão e de remédios.
Não que tudo isto seja inútil ou sem sentido, mas porque se torna importante e urgente, num país sem grandes recursos, que não se descuide o essencial, para privilegiar o secundário, muito menos quando o essencial é incómodo e o secundário leva a elogios a quem o proporciona.
A vida do dia-a-dia de muita gente, pessoas e famílias, está-se tornando um problema grave, mormente quando surgem situações de desemprego, de falta de saúde, de urgências inadiáveis, de insegurança constante, quando pela frente surge um futuro fechado a sonhos auspiciosos. Quem não tem dificuldades, ou nunca as teve, nem se apercebe desta dolorosa realidade.
A solidariedade é campo aberto onde todos podem e devem caminhar. O governo, que administra dinheiros que não lhe pertencem, tem de ser sério e realista perante as necessidades concretas das pessoas.

António Marcelino
tags:
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Março 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds