de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 15 Fevereiro , 2008, 18:21

Pôr do Sol visto junto ao Santo André

O Sol é um brincalhão. Ontem, em viagem, vi-o a deixar-nos com ar desafiador. Estava com a cor do fogo, vermelho vivíssimo. Só pude apreciá-lo, e fiquei-me por aí. Mas prometi a mim mesmo que no dia seguinte ficaria à coca, para o registar com toda a sua pujança. Vai daí, preparei-me, estrategicamente, para o meter na minha máquina fotográfica. Mas ele, não. Não quis mostrar-se como eu gostava. E por ali andou, no seu caminhar, rumo à outra banda. O vermelho vivo, que nos faz vibrar até ao âmago, não chegou. Mesmo assim, prometi que um dia destes o hei-de apanhar, para mostrar ao mundo que por aqui também o Sol brilha para todos.
FM
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 15 Fevereiro , 2008, 12:29
A comunicação social tem multiplicado as notícias sobre as ilegalidades cometidas pela administração do BCP. As autoridades do Estado, que tutelam o sector, já divulgaram algumas dessas ilegalidades. Ainda não se viu, nem ouviu, qualquer membro dessa administração a negar as irregularidades apontadas. Dá a impressão que não se passa nada.
Se um simples funcionário, deste ou doutro banco, ou um modesto cliente de um qualquer banco protagonizassem qualquer falha que prejudicasse uma entidade bancária, onde é que eles já estariam?
É isto que revolta o comum do cidadão. Como é que se pode acreditar que a Justiça portuguesa é igualzinha para toda a gente? Eu ainda quero acreditar que é, mas qualquer dia começo a ter a certeza de que não. E tenho pena que isso aconteça porque, se a Justiça não é justa e igual para todos, onde é que o Estado de Direito vai parar?

FM
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 15 Fevereiro , 2008, 12:09

Durante a campanha para o referendo sobre o aborto, disse aqui que o aborto clandestino continuaria a ser uma realidade, como desde sempre o foi. E disse, na altura, que tal aconteceria, fundamentalmente, porque a mulher e o homem o vêem como acto intrinsecamente mau. Por isso o procuram e o provocam às escondidas, convencidos de que, coisa que não se vê não é crime. Mas é, sobretudo quando ignora, conscientemente, tanto as leis naturais como os princípios religiosos, neste caso para os crentes.
Não me espanta, portanto, que os abortos legais tenham ficado aquém dos esperados. Isto é, os abortos clandestinos, tendo em conta os números propagados durante a campanha, continuam. Agora, com o silêncio dos que tanto os queriam eliminar, tornando os abortos livres e pagos pelo Estado, sabe-se que eles são feitos, nem que seja, como foi o caso, no silêncio do quarto de uma jovem estudante. Uns tantos comprimidos, de venda livre, poderiam matar mãe e filho. O filho não terá escapado e a jovem que não quis ser mãe, levada pela propaganda dos que aceitam o aborto como grande conquista civilizacional, sofreu as consequências da sua opção. Para mim, ficou com uma marca que jamais esquecerá; para outros será coisa de somenos, porque o que importa é ser dona do seu corpo.

FM
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sexta-feira, 15 Fevereiro , 2008, 11:32




Ontem à tarde fui a Aveiro, como faço com frequência. Não tantas vezes como gostaria, mas por lá vou passando, já que na cidade me sinto bem. E vi muitos casais de todas as idades, decerto por ser o Dia dos Namorados. Cheguei a pensar que seria assim todos os dias, mas se calhar não é verdade. Mas devia ser. Porque se um casal deixar de namorar, isto é, dando mais atenção ao outro(a) do que a si próprio(a), compreendendo-o(a) e amando-o(a), está o caldo entornado. Depois apreciei o modo delicado, direi mesmo amoroso, como alguns manifestavam a sua ternura. Formulo votos de que passe a ser sempre assim. Não apenas no Dia dos Namorados, mas durante todos os dias do ano. E de todos os anos.
Há muito que não andava de moliceiro. Pois ontem fui dar uma voltinha pelos canais da Ria de Aveiro. A maré estava baixa, mas nem por isso me arrependi. O passeio não se estendeu para lá das comportas, ficando-se pela cidade, mas foi muito bom, mesmo assim. Com os moliceiros ali à mão de semear, nem todos os aproveitam, com certeza por falta de dinheiro para pagar o bilhete. Mas vale a pena. Sobretudo porque podemos ver a cidade de outros ângulos. É essa cidade que a partir de hoje, e durante alguns dias, mostrarei aos meus leitores.

FM
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Fevereiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds