de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Fevereiro , 2008, 18:45

Não é “mais um” doente

1. Celebrar-se o Dia Mundial do Doente a 11 de Fevereiro de cada ano, é oportunidade para reflectirmos sobre esta sensível realidade. Doentes todos já o fomos, somos ou seremos. É por isso que sempre teremos de falar na primeira pessoa e com tal sensibilidade que de pouco valem as frases feitas, decoradas ou as receitas pré-elaboradas. O facto de cada pessoa ser um mundo aplica-se de forma explícita neste terreno da limitada condição humana. Falar de doença ou sofrimento, mais que teorias, será falar de pessoas doentes, em que todo o aconchego colaborante será bem-vindo ao necessário alívio possível e conforto em horas e dias tão difíceis.
2. Não pretendemos falar dos cuidados paliativos, das receitas clínicas, de toda a gama diversificada dos cuidados de saúde. Interessa-nos compreender o que está antes e que dá razão de ser às comunidades hospitalares ou a uma sociedade que deve colocar os mais frágeis no centro das suas preocupações. O modo como compreendemos, cooperamos e agimos para com as pessoas doentes (estamos sempre na primeira pessoa) será o modelo de sociedade que procuramos como ideal. E neste patamar, todas as ajudas serão bem vindas, da ordem das dores físicas até à ordem da paz de espírito. Não compreender isto será desfocar não servindo a Pessoa.
3. Se todas as políticas sempre terão de colocar as pessoas acima de tudo, então em quadrantes como a saúde esse centro de referência merecerá a máxima atenção, em área onde cada momento de tempo, sempre único, pode ser fatal. Talvez na vida das sociedades esta seja mesmo uma da áreas mais sensíveis onde, pelo cuidado minucioso, não pudesse haver ninguém que trabalhasse na saúde por qualquer outro interesse que não fosse uma clara VOCAÇÃO de serviço às pessoas na sua condição de fragilidade. A este respeito, os tempos parecem difíceis. Sem pretendermos generalizar, muitos negócios da saúde são escandalosos; ainda há dias falava-se dos milhões dos transplantes (Visão, 7 Fev.).
4. Felizmente que hoje vai sendo caminho aberto das comunidades hospitalares o saber-se acolher todas as ajudas que, no respeito pela livre consciência, podem garantir serenidade exterior e interior às pessoas doentes. Afinal, que outra função dos estados senão o garantir e mesmo promover este terreno de liberdade? As comunidades hospitalares, acolhedoras do pluralismo dos seus utentes (que são acima de tudo) PESSOAS, assim, abrem-se à totalidade da humanidade daqueles que lá passam os “momentos” da sensibilizada fronteira do sofrimento. Nessa hora, venha toda a força, toda a paz, toda a sensibilidade, toda a presença, todas as palavras mesmo que no silêncio!

Alexandre Cruz
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Segunda-feira, 11 Fevereiro , 2008, 17:52

“FILIPA DE LENCASTRE – A rainha que mudou Portugal” é um romance histórico de Isabel Stilwell, jornalista e escritora, de ascendência inglesa. Pela leitura desta obra, que se apoiou em muita investigação, percebe-se o entusiasmo com que Isabel Stilwell trabalhou. Era preciso, como a personalidade da rainha que mudou Portugal exigia, escrever um texto com o rigor histórico possível, mais de seiscentos anos depois dos factos relatados. Um romance histórico não tem que seguir, rigorosamente, os pormenores que um tratado científico merece e exige. No entanto, como li algures, há anos, para se conhecer a vida do povo de uma época, nada melhor do que um romance.
Quem gosta de história, em especial quem estudou História de Portugal, tem neste livro uma excelente oportunidade para se deliciar com um romance, cujas personagens são conhecidas. Uma rainha culta e de personalidade forte, mãe da “Ínclita geração; altos infantes”, no dizer de Camões, rigorosa e cuidadosa com a educação dos seus filhos, mas ainda de seu marido, Filipa de Lencastre moralizou os (maus) hábitos da corte.
À medida que as páginas corriam, fui recordando factos e pessoas da história que a minha memória tinha atirado já para uma gaveta, cenas que na minha juventude me encantaram, projectos e heróis que ajudaram a construir o Portugal de hoje e que andam muito esquecidos.
O livro está dividido em duas partes: “Philippa, Princesa de Inglaterra” e “Filipa, Rainha de Portugal”. Dois países e dois povos de muitos contrastes, com a protagonista desta obra a reflectir e a agir em conformidade com a sua educação e formação religiosa, alicerçadas numa sensibilidade muito delicada, que procurou incutir em quantos a rodeavam e serviam, nomeadamente os seus descendentes. Quem gostar de ler tem aqui uma boa oportunidade para ocupar, de forma diferente, os tempos livres.

FM
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Fevereiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds