de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 19:30


Cavaco Silva diz que Portugal tem "outras prioridades", para além da organização do Mundial 2018 de Futebol. O nosso País precisa, de facto, de pessoas com o sentido das responsabilidades.
A ideia anda no ar. Gilberto Madail terá avançado com a ideia de uma candidatura conjunta, com a Espanha, ao Mundial de Futebol de 2018. Os portugueses até parece que se esqueceram já do EURO 2004, que levou Portugal a construir, com clubes e autarquias, estádios de futebol que estão, agora, às moscas.
Num País quase sempre em crise, com milhares de portugueses em dificuldades, não nos podemos dar ao luxo de andar a pensar em projectos megalómanos, que trariam, é certo, prestígio a Portugal, mas que tirariam o lugar a outros mais urgentes.

FM
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 16:33
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 16:01
Clicar na imagem para ver melhor

Ontem recebi esta foto do mar dos Açores. De inédito tem o facto de registar a passagem, rara nesta altura do ano, de golfinhos, ao largo da ilha de S. Jorge. Causou espanto, mas houve a calma suficiente para registar a presença dos golfinhos em tranquila passagem de passeio pelas ilhas açorianas. Eles lá iam, serenos, rumo a paragens que só os próprios conheciam.
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 15:47

Lagoa com vista para o mar

É uma grande lagoa costeira, com 45 km de extensão no sentido norte-sul (de Ovar aos arredores de Vagos) e 12 no sentido leste-oeste. Dos 11 000 hectares deste sistema lagunar, cerca de metade é afectado pelas marés, tendo a sua vegetação grande importância ecológica. Apesar do declínio da extracção do sal, ainda há um milhar de hectares ocupado por salinas. No Outono, grande número de aves migratórias passa por aqui. A comunicação da Ria com o mar faz-se perto da cidade de Aveiro, através da Barra Nova, aberta em 1808.


In PÚBLICO de hoje

NOTA: O acesso faz-se pela A25, direcção Aveiro e Praias. Foto do meu arquivo.

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 13:14

"Aprender a viver é aprender a morrer a tudo o que nos estraga sob o ponto de vista intelectual, afectivo e social. Os 40 dias da Quaresma são uma bênção. Um tempo de retiro destinado a aprender a resistir à tirania diabólica da publicidade que nos impõe modelos de vida e de organização económica, social, política, cultural, religiosa e irreligiosa, a nível local e global, pessoal e familiar. Um tempo para a descoberta do que é essencial, supérfluo e prejudicial. Um tempo para descobrir as sugestões de Deus, dentro e fora de nós"


Frei Bento Domingues,
in PÚBLICO de hoje
tags:
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 13:02

DO ENSINO NA GAFANHA

Caríssima/o:

E perguntava-se: «E na Gafanha como seria?»
Como resposta apreciemos esta série de retratos, todos eles carregados de cores muito intensas. Seu autor, o P. João Vieira Resende, aproveitou a «Monografia da Gafanha» para os revelar nas páginas 105 e 106.

«Foi bem acentuado e característico o seu estado de atraso. Quantas vezes para escalpelizar em alguém uma grosseria, uma incorrecção, ou um deslise, se empregava, ou emprega ainda [1944], a apóstrofe:”És um gafanhão!”, como se dissesse:”És um ignorante!”. A frase diz tudo!...

«Concorreu também a Gafanha com o seu pesado contingente para que Portugal, em face das estatísticas oficiais, tenha passado, com verdade, no conceito dos povos e nações civilizadas, como sendo uma das mais atrasadas [...com] legiões e autênticos povoados de analfabetos.

«A Gafanha, tão distanciada dos centros escolares e da instrução, a muitos quilómetros de Aveiro, Ílhavo e Vagos, sem meios de comunicação, reduzindo assim os seus habitantes à crítica situação de uma vida de primários, deveria com toda a justiça, ser olhada com mais atenção, carinho e amor. No entanto não foi assim. Só tarde, mesmo muito tarde, se pensou alguma coisa nesta triste situação.

«Quando outras povoações, com menos direitos, já eram beneficiadas com escolas e instrução, a Gafanha ficava sempre na retaguarda, entregue a um aturado esquecimento, a um criminoso enquistamento cerebral.

«Até 1880, toda a Gafanha, com um povoamento denso, não tinha uma única escola, e desta data até 1908 só funcionava a escola de 1880, que durante aquele período servia pessimamente, pela sua deslocação, toda a Gafanha ocidental, ou seja as actuais freguesias da Nazaré e da Encarnação e a Gafanha da Boa-Hora (Vagos), numa longitude marginal de cerca de cinco léguas. Era um horror! Já tarde, em 1908, criou-se a segunda escola na Boa-Hora, também afastada e menos necessitada, visto ficar no outro extremo sul da Gafanha, que era e é menos povoada.
«Em 1909 é criada finalmente a terceira escola da Gafanha, na Encarnação, que desta vez ficou mais central[...].

«Mas até esta data, que penúria, que miséria na instrução destes povos!
Foi uma eternidade de obscurantismo naqueles cérebros. [...]

«Erros da política do tempo, retemperada no caciquismo e no favoritismo, dos quais os povos eram sempre o bode expiatório.»

Como se está a ver, a situação não era nada famosa..
Mas continuaremos..

Manuel
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 10 Fevereiro , 2008, 12:58
A juventude da Parvónia

1. Mesmo após a polémica, tudo continua na mesma. E a certa altura já nem se sabe como reagir ao mau gosto que vai crescendo de forma desmedida. O assunto é a campanha, diga-se sem jeito nem inteligência, da “parvónia” chamada Media Markt. A conclusão da história publicitada, após um arranjo que leva ao ridículo um chefe militar e um escuteiro, é que quem é “parvo” é que não vai ao Media Markt. Enfim, para além da pobreza da qualidade do anúncio, já há muita gente a dizer precisamente o contrário…
2. O ditado diz que «quem não sente não é filho de boa gente». Sabemos como são as coisas. Entre o silêncio do não ligar ao assunto (esta a receita dos tempos indiferentes), ou a coragem de dar uma “pedrada no charco”, correndo o perigo das múltiplas interpretações, até de exagero, a Junta Central do CNE emitiu um comunicado, apelando ao bom senso ético. O parvo anúncio coloca o jovem escuteiro oriundo, imigrado (emigrante?), do país Parvónia no cenário mais ridículo…
3. Após o corajoso comunicado da Junta Central (sabendo que correria o perigo das análises habitualmente passivas de “estar a dar importância demasiada ao assunto”), CNE que neste país pela “escola de vida” do Escutismo procura realizar um ideal de trabalho sério com mais 70 mil jovens portugueses, a resposta do Media Markt (do seu country manager!), aliviando a coisa, não deixa de nos dar dois sinais: 1º, que a aparvalhada figura do escuteiro pretendia «representar a juventude» portuguesa; 2º, que só os escuteiros ficaram ofendidos, pois «nenhuma associação de militares nos contactou» (bom, o papel do militar não desce à figura do jovem).
4. O que vale é que os jovens já se estão pouco importando com o que deles dizem, senão!... Indiferentes, no “porreirismo” do deixa andar que vão copiando pelas referências sociais, já comem tudo… É de saudar a Junta Central do CNE, que fala em nome das instituições se viram, vêem ou verão, expostos a um ridículo anestesiador dos padrões de dignidade e qualidade de uma sociedade. Quem sabe esta (ex)posição do CNE tenha sido um contributo para os próximos anúncios que, para garantir a polémica que vende, colocariam figuras de estado nessa parvónia…(Talvez aí a coisa mudasse!) E depois queixamo-nos dos medos do futuro!

Alexandre Cruz
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Fevereiro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds