de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Outubro , 2006, 22:12
ESTAMOS SEMPRE
A APRENDER


As Línguas vivas, que estão sempre a crescer, podem levar-nos a ter dúvidas. Por isso, quem quiser falar e escrever correctamente a Língua Portuguesa tem de estar atento, para se actualizar.
Aqui ficam duas sugestões muito úteis:
Na RTP1, pode ver, à sexta-feira, o programa "Cuidado com a Língua";
No "PÚBLICO on-line" há, também, uma rubrica que pode consultar, intitulada "Dúvidas Linguísticas".
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Outubro , 2006, 21:48

O PAPA AMIGO
DA HUMANIDADE
::

A vida do Papa João Paulo II vai poder ser vista em desenho animado. Um DVD multilingue, com o título de "João Paulo II - o Amigo de toda a humanidade", vai mostrar a quantos o admiraram o que foi a sua caminhada até aos fim dos seus dias à frente dos destinos da Igreja Católica, marcando, de forma indelével, os destinos do mundo dos homens de fé e amantes da paz.
Trata-se de um trabalho produzido pela Cavin Cooper Productions, com a colaboração do Centro Televisivo Vaticano. Além da parte de animação, o DVD inclui um documentário onde o Papa Wojtyla fala de si próprio.
Este vai ser um DVD que não deixará de ser apreciado por gente jovem e menos jovem.
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Outubro , 2006, 20:16
OS PRIVILÉGIOS
NÃO FAZEM SENTIDO
NUMA SOCIEDADE
DEMOCRÁTICA

Para mim, numa sociedade democrática, os privilégios não fazem sentido. Viola, a meu ver, o princípio de que a Lei é igual para todos. Portanto, sem excepções.
Toda a gente sabia, penso eu, que os futebolistas tinham um regime especial, tendo por base, alegadamente, que essa profissão é de vida curta.
Se têm uma vida curta, o que em princípio é verdade, também é verdade que alguns ganham muitíssimo mais do que os trabalhadores de outras áreas. E depois, há futebolistas que, depois de arrumarem as botas, continuam ligados ao mundo do futebol.
Numa altura em que se pede a todos os portugueses que se unam para que Portugal deixe de ser um país deficitário, será justo que os jogadores deixem se ser privilegiados, pagando os impostos como todos os cidadãos.
Mais ainda: há hoje muitos trabalhadores que, por ficarem numa situação de desemprego, acabam as suas carreiras profissionais muito cedo, sem terem hipótese de retomar o trabalho.
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Sábado, 21 Outubro , 2006, 12:22




D. José Policarpo esclarece
declarações à comunicação
social sobre o aborto





::::
Posição do Patriarca
de Lisboa sobre o aborto




As minhas respostas à comunicação social, que me interpelou sobre a hipótese de um novo referendo sobre o aborto, foram incorrectamente utilizadas por alguns meios de comunicação e mesmo por forças políticas e parecem ter gerado confusão e mesmo indignação em algumas pessoas. Parece-me, pois, necessário retomar as afirmações aí feitas, com uma clareza que não permita interpretações ambíguas ou desviadas.
1. Comecei por afirmar, o que parece que ninguém ouviu, que a doutrina da Igreja sobre esta matéria, não mudou e nunca mudará. De facto, desde o seu início, a Igreja condenou o aborto, porque considera que desde o primeiro momento da concepção, existe um ser humano, com toda a sua dignidade, com direito a existir e a ser protegido.
2. Afirmei, de facto, que a “condenação do aborto não é uma questão religiosa, mas de ética fundamental”. Trata-se, de facto, de um valor universal, o direito à vida, exigência da moral natural. Com esta afirmação não foi minha intenção negar a sua dimensão religiosa. A mensagem bíblica assumiu, como preceito da moral religiosa este valor universal, dando-lhe a densidade do cumprimento da vontade de Deus. Não é só por se ser católico que se é contra o aborto; basta respeitar a vida e este é, em si mesmo, um valor ético universal.
É claro que o respeito pela vida é uma exigência da moral cristã, porque está incluído no quinto mandamento da Lei de Deus: “Não matarás”. Porque é um preceito da moral cristã, violá-lo é um pecado grave. Mas o Decálogo, estabelecido, pela primeira vez no Antigo Testamento, por Moisés, consagrou como Lei do Povo de Deus, alguns dos valores humanos universais, que interpelam a consciência mesmo de quem não é religioso. E de facto, na presente circunstância, há muitos homens e mulheres que, não sendo crentes, são contra o aborto porque defendem a dignidade da vida, desde o seu início.
::
Leia todo o comunicado
do Patriarca de Lisboa
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Outubro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds