de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 17:11

SANTA TERESA DE JESUS,
DOUTORA DA IGREJA
:::

Santa Teresa de Jesus nasceu no dia 28 de Março de 1515, na cidade de Ávila, Espanha, sendo seu nome de baptismo Teresa de Cepeda y de Ahumada. Entrou no Mosteiro Carmelita da Encarnação na sua cidade natal no ano de 1535. Iniciou a reforma do Carmelo Feminino em 1562 e juntamente com São João da Cruz, em 1568, iniciou a reforma no ramo masculino do Carmelo. É considerada um dos grandes mestres espirituais que a história da Igreja já conheceu, ocupando um lugar especial dentro da mística cristã. Santa Teresa morreu em Alba de Tormes na noite de 15 de Outubro de 1582 e em 1622 foi proclamada santa. O Papa Paulo VI, a 27 de Setembro de 1970, reconheceu-lhe o título de Doutora da Igreja. Foi a primeira mulher a ser declarada Doutora da Igreja.

 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 14:47
Portugal adere à acção
"Levanta-te contra a Pobreza"
:::

Universidades, organizações juvenis e câmaras municipais portuguesas vão aderir a uma iniciativa mundial para assinalar o Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza que consiste em conseguir com que milhares de pessoas se levantem contra este mal. Um quinto da população mundial sobrevive em condições de extrema pobreza, dispondo de menos de 0,85 euros por dia. Em Portugal um quinto dos cidadãos vive no limiar da pobreza.
A iniciativa Levanta-te contra a Pobreza da campanha Pobreza Zero, visa levantar milhares de pessoas no mundo inteiro, durante um minuto, entre as 11h00 de hoje e as 11h00 de segunda-feira.Mais de 900 organizações internacionais em coordenação com organizações e movimentos sociais de base em mais de 100 países querem assim "promover a maior mobilização de sempre na história da luta contra a pobreza no mundo".
O número de participantes a nível mundial deverá ser contabilizado para divulgação terça-feira, Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza" e a grande inovação desta acção é o desafio proposto às pessoas para criarem o seu próprio evento "levanta-te", fazendo-o espontaneamente.
::
Leia mais no "PÚBLICO"
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 12:12
O "EXPRESSO" dedicou duas páginas do seu suplemento "ACTUAL", desta semana, ao Museu de Aveiro, com um trabalho de João Miguel Fernandes Jorge. Trata-se de mais um desafio, a juntar a muitos outros, que se dirige aos aveirenses, no sentido de os levar a visitar este museu, que é uma mais-valia do turismo da região. Aqui transcrevo apenas dois parágrafos desse escrito, por me parecer o suficiente, como elemento motivador para descartarmos a nossa comodidade e para passarmos pelo museu que se desenvolve em torno da Padroeira da Cidade e Diocese de Aveiro.
F.M.
:::


MUSEU DE AVEIRO:
Um desafio constante
a todos os aveirenses
:::


"O Museu de Aveiro cabe por inteiro entre os séculos XV e XVI11. Tem o espaço e o tempo exactos do dominicano Convento de Jesus. A sua validade, em termos de história e em termos de arte, declina-se através de um nome, o da Princesa Santa Joana (1452-1490). Princesa e não infanta, por­que até ao nascimento de seu irmão (D. João II, 1455-1495) foi considerada herdeira do trono. Beata e não santa, pois a sua canonização, que teve proces­so aprovado em 1756, nunca se concretizou. Di­zem-na, em termos de culto, “equipolentemente beatificada (o adjectivo equipolente quer dizer que tem igual valor, que é equivalente), e, por isso, Portugal, a Ordem Dominicana e, sobretudo, a cidade de Aveiro, que cresceu ao redor do seu nome, a conside­ram santa um pouco à semelhança de um sentido antigo e ortodoxo que elegia os seus próprios santos, dentro de um espírito comunitário que partilhou o testemunho de uma vida exemplar. O museu coinci­de, primeiro, com o tempo de vida da princesa, que é um pouco o seu tempo interno e subjectivo, para de seguida prosseguir a história da sua colecção dentro do tempo objectivo e futuro que o desenrolar de uma lenda e de uma memória souberam criar: extensa obra que nos aparece sob a produção de arquitectura, pintura, escultura, talha e azulejaria.
Mas o que é o tempo deste e neste museu? Que representa? Inicia-se com os anos centrais da conquista portuguesa das praças marítimas do norte de África – ainda de um tardio e gótico poder senhorial – que corresponde ao reinado de Afonso V, o pai de Santa Joana. Sedimenta-se no reinado seguinte de João II. Apesar de a visão expansionista ter tomado a perspectiva de um mundo a descobrir sob o domínio de uma cientificidade nascente, esses anos que vão de 1452 a 1495 reclamam na arquitectura e nos objectivos do museu uma validade que vai muito além e que perdura, evocando e reflectindo a vida da princesa."
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 10:55
Crise de Deus
e mística do quotidiano
::
Não há dúvida de que hoje, concretamente na Europa, há uma crise da religião, que é sobretudo uma crise de Deus. Basta perguntar, de modo simples: para quantos é que Deus ainda conta realmente nas suas decisões vitais, tanto no domínio pessoal como colectivo?
As estatísticas mostram uma queda acentuada e constante da chamada prática religiosa, no sentido da frequência da missa ou dos serviços religiosos. Mas, como sublinha o teólogo Juan Martín Velasco, o centro da actual situação religiosa na Europa é a "crise de Deus": há cada vez mais áreas da vida pessoal e social a afastar-se da influência da religião, de tal modo que não falta quem se pergunte se não vivemos já num "exílio" cultural de Deus, que se tornou um estranho no nosso mundo.
Apesar dos novos movimentos religiosos nas suas variadíssimas manifestações, tudo parece passar-se como se Deus não existisse. As próprias Igrejas e os crentes foram contaminados pela dúvida e pela descrença, sobretudo na forma da indiferença.
Vive-se numa situação de "cultura da ausência de Deus" (J. Moingt), tendo o filósofo B. Welte podido escrever: "A experiência predominante neste contexto religioso é a experiência de não ter feito nenhuma experiência religiosa, isto é, não ter sido afectados, nem, muito menos, transformados por algo que possa ser denominado Deus."
:
Leia todo o artigo em Diário de Notícias
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 10:38

NEVOEIRO NO FORTE DA BARRA
::

O nevoeiro foi coisa de sempre nas Gafanhas. Mas também se sabe que "manhã de nevoeiro tarde de soalheiro". E assim nos fomos dando bem com o ditado, que é, por norma, sabedoria do povo tornada ciência certa. De tal modo, que o Ângelo Ribau não resistiu à ideia de registar, com a sua máquina, o nevoeiro no Forte da Barra, onde se pode ver o oásis que o Forte foi em tempos que já lá vão. Agora, com o Porto Comercial a dominá-lo, como fruto de um certo progresso, só podemos guardar estas imagens que a memória de muitos gafanhões não perdeu.

F.M.


 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 10:35


NÃO SABEMOS

Não sabemos nada, e o que temos
é pouco: um nome,
um nome em prosa correntia;
tão pequeno que nem sequer
alcança o ramo
em flor de tília; menos ainda
a estrela do pastor;
um nome comum, Joaquim
António João,
bom para dizer quando o frio
é mais duro;
nome que bebe o orvalho
nos olhos dos amigos mortos
tão cedo; ou perdidos.


In “O Sal da Língua”
 O que é? | partilhar

Editado por Fernando Martins | Domingo, 15 Outubro , 2006, 10:20


AI A COR, A COR!...

Caríssimo/a:

Brincar, jogar, viver a vida e aproveitar tudo o que de bom a Natureza nos oferecia para crescer. Assim era quando a correr nos atirávamo à água com o nosso “barco”. Tudo nos servia para as nossas corridas e regatas: bacias, alguidares, gamelas, pneus de camionetas, grandes troncos. E como nós nos esticávamos da ponte da Cambeia à entrada do Esteiro Grande, se éramos dos grandes; porque os mais pequenotes contentavam-se com as águas mais calmas do Esteiro Pequeno. Com remos ou com as mãos, lá havia um que chegava à meta e muitos riam e folgavam com a água que os 'afundou'.
Quando apareceu uma 'jangada', a festa foi de arromba – agora, além dos mergulhos, ouviam-se os berros do “arrais-construtor” que via a sua obra desmantelar-se e também só lhe restava mergulhar e deixar-se ir com a corrente...
Grande animação, muita sementeira de amizade e de saudade.

Nesses tempos, outros barcos os homens governavam e dispunham ao longo da Ria, junto das secas. Paisagem de postal vivo e com pujança.
Mudaram-se as correntes. Que é dos barcos? E dos homens que os governavam?
Outros barcos vão surgindo; outros lemes traçam rotas alternativas; os sonhos vão e vêm...

Porém, e foi destes que parti, outros há que levantam o ferro, recolhem as amarras, fazem-se aos ventos e às marés mas nunca encontram o farol; seja, talvez alguns dos barcos cheguem mas deixando, espalhados pelo sal das ondas do mar, os sonhos que os olhos povoavam na hora da despedida. E quantos acompanharam os restos dos barcos? E dos que conseguiram a bóia quantos saltaram para bom bordo? E o que dói, mas dói a valer, é vermos que a cor marca a diferença, tal como há quinhentos anos; ou há sessenta em que a raça traçava a fronteira da vida...
Quase apetece perguntar ainda e uma outra vez: E tu Senhor a dormir e a permitir tal horror!?
Não, não respondas, custa-nos voltar a ouvir: Tu, sim tu, que fizeste ao teu irmão? Onde está o Abel?

Manuel

 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Outubro 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9

20




arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO
subscrever feeds