de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 22 Novembro , 2009, 12:36
BACALHAU EM DATAS - 48
.

Condestável

64 EMBARCAÇÕES EM 1964

Caríssimo/a:

1948 - «Arménio Mónica, filho de Manuel Maria Bolais Mónica, iniciou-se na construção de lugres no ano de 1948, através da direcção e construção dos lugres-motor de quatro mastros, CONDESTÁVEL e COIMBRA, para as empresas Companhia Transatlântica de Pesca, L.da, do Porto, e Empresa de Pesca São Jacinto, L.da, de Coimbra, num investimento global de 12.400.000$00. Estas embarcações de pesca à linha obedeciam às “características portuguesas” e aperfeiçoamentos modernos das anteriormente ali construídas, com a componente da introdução e utilização dos quatro mastros em ferro concedendo uma maior consistência e elegância aos navios. ... Concomitantemente, nos estaleiros de António Mónica, o irmão João Bolais Mónica, correspondia ainda no decorrer do ano de 1948, à solicitação da empresa José Maria Vilarinho com o lançamento à água do lugre-motor de madeira ADÉLIA MARIA.» [Oc45, 118]

«Em 1948, os arrastões – então todos eles “clássicos” ou “laterais” - significam ainda pouco mais de um décimo do total dos navios da frota: 12,7%. Na campanha seguinte regista-se um salto importante: 27% das unidades jà são arrastões.» [Oc45, 95]

«Os Estaleiros Navais de Viana do Castelo são fundados em 1946, por iniciativa dos armadores Vasco de Albuquerque d'Orey e João Alves Cerqueira. Em 1948 apresentaram as primeiras embarcações destinadas à pesca do bacalhau, os arrastões SENHORA DAS CANDEIAS, SENHOR DOS MAREANTES e SÃO GONÇALINHO.» [Oc45, 119, n. 11]

1949 - «No mesmo dia do bota-abaixo do arrastão COMANDANTE TENREIRO, a 12 de Maio de 1949, eram cravados os rebites do novo arrastão BISSAYA BARRETO, a construir nos Estaleiros Navais do Mondego, também para a pesca do bacalhau.» [Oc45, 117]

«Um dos saltos mais significativos [no número de navios ] ocorre em 1949, campanha em que foram aos bancos 64 embarcações, mais nove do que no ano anterior. [...] De meados da década de trinta a 1967 o crescimento da frota bacalhoeira é evidente, embora seja inconstante e irregular. As taxas de crescimento médio por quinquénio são quase sempre positivas. As mais altas situam-se em 1934-38 (8,4%) e 1944-48 (4,1%). O número de navios construídos para a frota bacalhoeira num e noutro período é bastante significativo e confirma o interesse do Estado em acelerar o ritmo da “Campanha”: foram construídos 25 navios em 1944-48 e 17 em 1954-58. Nos quinquénios de 1939-43, 1959-63 e no quadriénio de 1964-67 a frota bacalhoeira regista taxas de crescimento médio ligeiramente negativas. Todas presumem períodos em que o condicionamento estatal dos ritmos de renovação da frota se fez sentir por razões diversas.» [Oc45, 93]

Manuel
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Novembro 2009
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9


24



arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO