de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Domingo, 18 Junho , 2006, 04:14


Solidariedade
mais responsável
é uma urgência


Numa sociedade democrática, adulta e responsável, o cuidado com os mais desprotegidos da sorte tem de ser uma urgência de todas as horas. Ficarmos a olhar só para os nossos interesses e para as nossas comodidades é crime contra a própria democracia. Neste contexto, em que mais de um milhão de portugueses estão no limiar da pobreza, urge que as forças políticas estejam atentas a esta realidade, buscando soluções a curtíssimo prazo para se matar a fome a quem a tem. E depois, que sejam abertos caminhos de mais trabalho para os desempregados e de mais pão para quem está à míngua do essencial para sobreviver.
Portugal tem uma rede social de iniciativa privada bastante ampla, cuja disponibilidade para servir os mais carenciados é por demais conhecida. Há lares para idosos e para menores sem família, há creches, jardins-de-infância e ATL para a ajuda indispensável aos pais que trabalham, há centros de dia e de noite para idosos sem familiares próximos e disponíveis para o atendimento de que necessitam, há misericórdias e outras instituições sempre abertas a quem mais precisa, nomeadamente deficientes, pobres, doentes e marginalizados que enchem o universo de tantas carências que subsistem na nossa sociedade.
Novos modelos de apoio social vão surgindo, ao sabor das necessidades dos mais desfavorecidos, como sinal de um povo atento, que sabe e quer cuidar dos seus pobres, como sempre o fez através dos tempos. Porém, nem sempre de forma programada e abrangente, o que produz lacunas na rede social do nosso País.
Nessa linha, o Presidente da República, Cavaco Silva, alertou há dias para a premência de todos lutarem contra a exclusão, fazendo da inclusão “uma causa nacional”, com o envolvimento de todas as forças políticas e sociais. Assim, urge implementar a solidariedade em rede para a partilha de saberes e de disponibilidades, tendo como objectivos o apoio importante, direi mesmo fundamental, a um número cada vez maior de pobres envergonhados ou esquecidos, onde as novas tecnologias podem exercer um papel inquestionável.
Por outro lado, reconhece-se que se torna imperioso implementar o espírito de vizinhança, um tanto ou quanto a cair em desuso nos grandes centros urbanos, como forma de desenvolver o sentido de entreajuda e de convívio entre todas as gerações, contrariando o isolamento e a solidão dos idosos e doentes, sobretudo dos mais abandonados pelas suas próprias famílias.
É sabido que a sociedade actual tem gerado novas situações de pobreza. O desemprego é uma constante para muitos e uma ameaça para outros tantos, criando instabilidade e desespero nas famílias. E por mais subsídios que o Estado atribua, normalmente diminutos para a maioria dos desempregados, a verdade é que a insegurança profissional não pode ser ignorada nas nossas comunidades. Nessa linha, as instituições de solidariedade têm de estar mais atentas e disponíveis para enfrentarem novos problemas sociais, criando valências e preparando funcionários capazes de responder a desafios urgentes, não ficando acomodadas a estatutos com décadas de existência e nem sempre de acordo com as exigências sociais que vão nascendo, muitas delas provocadas pela deslocalização de grandes empresas, que deixam à míngua famílias inteiras.
Contudo, se é importante que as instituições de solidariedade social estejam sensíveis para responder a novas e dramáticas situações de pobreza, não é menos importante educar as novas gerações para a solidariedade social, única forma de garantir um futuro mais humano e mais justo para todos.
Fernando Martins
 O que é? | partilhar

mais sobre mim
Junho 2006
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16
17


26


arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO