de Fernando Martins
Editado por Fernando Martins | Sábado, 18 Outubro , 2008, 23:21
Teresa Machado
Os campeões vivem sempre

Resolvi escrever umas linhas a lembrar a Teresa, mulher forte por fora, mas muito grande por dentro.
Recuo 25 anos e vejo-a treinar num terreno quase defronte à sua casa, sob a ordens do Professor Júlio Cirino. Ele anda com um trabalhão em mãos, a recolher memórias, para que não se apaguem. Precisamos muito delas. Estas linhas são por isso.

Tudo o que é terreno termina, porque assim houvera de ser. Os campeões, esses raros aceitantes de desafios, não desaparecem de todo. Podem mudar o seu futuro, mas nada lhes apaga o passado, com muitos sacrifícios, à chuva, ao frio, ao sol abrasador, e «em tantos climas experimentados», ficam para sempre. O desporto, mesmo o de alta competição, dá sempre grandes virtudes a quem dele faz vida. E não conheço nenhum atleta que deixe de partilhar a sua experiência, quando dele se abeiram todos os que os respeitam, porque dedicados à mesma causa que é o desporto.
A Teresa Machado é uma pessoa ideal para lançar desafios de partilha das suas experiências adquiridas por esse mundo fora. Os jovens da Gafanha da Nazaré precisam de olhar para os bons exemplos. Ela merece, sem engano algum, uma pista de atletismo melhor que aquela em que ficou a do Complexo Desportivo. A placa com seu nome não é suficiente para a lembrar nas pistas, em qualidades de atleta humilde e sensata que sempre foi. E será, porque o futuro, com maior ou menor peso, lançado desde muito cedo, deve ser devidamente reconhecido nos seus méritos.
Os campeões vivem sempre.

Ainda lhe envio um poema, inspirado nos livros e na leitura - esse fermento que transforma gente em sabedoria.


Quando leres

Prefere as folhas em branco
Prontas a preencher de azul
As quimeras lindas nos céus
Redondos que olham para ti
Em figuradas perfeições que
As páginas aconselham livres

Traça as linhas da tua vontade
Que emerge da pura realidade
E avalia o sangue a apossar-se
Dos trechos do fim da história
Que namora em casta placidez
A razão que preenche a nudez
Das folhas que foram brancas

Hélder Ramos
NOTA: O Hélder Ramos é professor de Língua Portuguesa na Escola Secundária c/ 3º ciclo de Júlio Dinis e autor do livro de poesia «Ao Pé das Palavras». Um abraço para o Hélder, que não vejo há muito. Mas também aqui ficam os meus agradecimentos pela suas oportunas considerações sobre a Teresa Machado. A Gafanha da Nazaré deve-lhe, sem dúvida, uma digna homenagem.
FM
 O que é? | partilhar

Paulo Teixeira a 20 de Outubro de 2008 às 10:38
Parabéns à Teresa pela grande carreira que teve no atletismo. Apesar de nunca ter tido as condições ideais para treinar, nunca isso lhe serviu de desculpa para nada. Os campeões também se veêm nestes pormenores, é a chamada fibra de campeão. Pena que o nosso país só tenha olhos para o futebol. Aí tudo serve de desculpa para o insucesso.
Outro lamento é que Pessoas como a Teresa, não sejam aproveitadas, por quem de direito, para servirem de exemplo aos mais novos e para os incentivar a praticar desporto.
Pode ser que esta situação mude.
Parabéns à Teresa.

Paulo Teixeira

mais sobre mim
Outubro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4

5
6
7
8
9





arquivos
as minhas fotos
pesquisar neste blog
 
Contador - 1
blogs SAPO